COMEÇE HOJE! Ligue agora
41 992459559
Petit Carneiro 524 Curitiba, Paraná

A História do Kenpo

As Origens do Kenpo Karate

Todas as criaturas têm um impulso inato para sobreviver. Este instinto de auto preservação é expresso na maravilhosa variedade da natureza: das garras e presas do predador para as defesas mais passivas vistas em pelagens, conchas e camuflagem. Fisicamente, a humanidade sofre em comparação com as armas naturais e os atributos defensivos encontrados no reino animal. Ainda assim, sobrevivemos, prosperamos e nos tornamos os predadores dominantes no planeta. Com base no dom do intelecto que nos permite observar, aprender, resolver problemas e criar ferramentas pudemos transmitir o conhecimento acumulado às gerações seguintes como base para futuros progressos. Esta é a história da transmissão e evolução desse corpo de conhecimento atualmente conhecido como Kenpo Karate.

O conflito violento é mais antigo do que a humanidade. Apesar da nossa relativa escassez de armamento natural, os seres humanos são criaturas violentas residindo sob um fino verniz de civilização. Quando os primeiros homens observavam animais para descobrir fontes de comida e água, eles também puderam observar como estes lutavam e escapavam de seus predadores. Neste processo, os primeiros caçadores assistiram e aprenderam com sua competição no reino animal.

Caçadores guerreiros aprenderam lições práticas sobre o valor estratégico da perseguição, ocultação, emboscada e surpresa. Eles adquiriram a sabedoria tática para escolher o campo de batalha e o momento mais adequado de um ataque. Eles perceberam os benefícios dos atributos de velocidade, potência e precisão. Eles aprenderam que atacar no ponto mais vulnerável assegurava o sucesso, seja ele o membro mais fraco de um grupo ou o alvo anatômico mais vulnerável de um indivíduo. Todas essas lições derivavam da observação do comportamento de caça dos predadores, e aplicavam-se igualmente aos conflitos com outros homens. As tentativas xamânicas para absorver esses atributos desejáveis foram feitas através de totens e da imitação de animais em danças rituais.

Quando a caça e a colheita foram substituídas pela domesticação de animais de rebanho e pelo desenvolvimento da agricultura, foram necessários limites territoriais mais estáveis. Os excedentes agrícolas poderiam apoiar uma classe guerreira especializada. Este grupo dirigente poderia proteger o território e os camponeses, ao mesmo tempo que se concentra no desenvolvimento de habilidades marciais. Quando a tensão crescia entre governante e governado, ocorriam levantes e os camponeses eram desarmados, o que levava ao armamento improvisado e à prática secreta de artes marciais.

Estes padrões gerais de desenvolvimento aconteceram na China, Okinawa e no Japão. Os ritmos da guerra e da paz, comércio e isolamento, subjugação e rebelião, a experimentação e treino cruzado combinaram-se para estimular o desenvolvimento e a evolução de uma incrível variedade de sistemas de técnica e treinamento. Os vários sistemas começaram a ser categorizados como estilos internos e externos, estilos duros e macios, estilos da família ou do templo, estilos taoístas ou budistas, ou estilos do norte (chutes) e do sul (punhos).

Mitos fantasiosos, incluindo aqueles envolvendo Bodhidharma eo Templo de Shaolin, foram criados e transmitidos, produtos desse gênero de literatura asiática são conhecidos como yeh-shih (“história selvagem”).

Havaí: O Caldeirão Cultural

Na época do primeiro contato ocidental em 1778, as ilhas havaianas possuíam artes marciais nativas bem desenvolvidas e aprimoradas por séculos de guerra incessante. Enquanto uma forma de boxe e wrestling (mokomoko) era praticada (lutas foram realizadas para entreter o Capitão Cook), a arte marcial mais mortal era conhecida como Lua. Um mestre de Lua era adepto de uma grande variedade de armas, particularmente a lança (considerada como o “rei das armas” pelos chineses). Os enormes guerreiros havaianos tinham armas correspondentemente grandes; a lança havaiana variava em comprimento de três a seis metros! Um dos métodos de treinamento favoritos era praticar a esquiva de lanças, e há relatos de testemunhas oculares de guerreiros que evitavam  lanças disparadas por até oito guerreiros, agarrando algumas em pleno ar para desviar de outras, as arremessando de volta em um movimento fluido.

Além da lança, o lutador de Lua aprendia a usar o porrete, punhal de madeira, funda e outros armamentos especializados como o ikoi, uma pedra de arremesso lançada com um cordão preso para prender o inimigo, e o lei-mano, um “soco inglês” de madeira equipado com dentes de tubarão.

Keeaumoku usou um lei-mano para estripar um dos chefes rivais de Kamehameha (Kiwala’o) no início da campanha de Kamehameha para conquistar as ilhas do arquipélago. Mas, acima de tudo, o praticante de lua era temido por sua perícia mortal na luta desarmada. Lua é a tradução literal de “poço” ou “dois”, e o nome pode se referir a poços de combate, o princípio da dualidade (semelhante ao yin-yang chinês), ou a tática de dar dois golpes por um. A tradução livre de Lua, no entanto, é “a arte de quebrar os ossos”. Esta não era uma arte de auto-defesa, mas uma agressiva arte de guerra projetada para mutilar e matar o inimigo.

Existem inúmeras histórias do rei Kamehameha e Kekuhaupio, seu instrutor de arte marcial, incutindo o medo em tropas inimigas ao quebrar a coluna dos inimigos, e depois deslocar suas articulações, talvez a fim de poupa-lo para o sacrifício posterior a Kūkaʻilimoku, o deus de guerra havaiano. O rei Kamehameha conquistou as Ilhas em 1810 e morreu em 1819. Muitos de seus guerreiros viveram bem no século XIX.

Em 1850, a era da plantação de cana-de-açúcar havia começado nas Ilhas. Os proprietários de plantações recorreram a Ásia para importar mão-de-obra barata. Primeiro os chineses foram trazidos. Depois os japoneses e em seguida, os filipinos. Cada grupo trouxe consigo suas próprias artes marciais.

Seishiro Okazaki – o Precursor

Em 1906, aos 16 anos, Seishiro Okazaki emigrou do Japão para o Havaí. Okazaki trabalhou em plantações de cana-de-açúcar, adoecendo com tuberculose em 1909. Em sua busca pela saúde, ele começou a trabalhar no Hilo Shinyu-kai, o Dojo de jiu-jitsu do Mestre Kichimatsu Tanaka. Dentro de um ano, Okazaki recuperou completamente a saúde, além de ter sido fisgado pelas artes marciais. Enquanto continuava seu estudo de jiu-jitsu, Okazaki também estudou as outras artes marciais disponíveis neste caldeirão do Pacífico, incluindo o Lua Havaiano, karate de Okinawa, laminas Filipinas e o Kung Fu do mestre Wo Chong. Wo Chong se referia ao Havaí como “Danzan” ou “Ilhas de Sândalo”, em referência ao comércio da planta havaiana com a China. Quando Okazaki finalmente criou seu próprio eclético amálgama de artes marciais, ele o chamou de “Danzan Ryu Jiu-jitsu”.

Em abril de 1922, um amigo de Okazaki chamado “Speed” Takahashi desafiou o boxeador, c. Takahashi fez juz ao seu apelido e foi nocauteado no primeiro round. cimediatamente emitiu um desafio para “Kayo” Morris e treinou durante as próximas seis semanas para a luta.

A luta entre o boxeador e o perito em jiu-jitsu foi realizada em 19 de maio de 1922 no Teatro Yuraku-Kwan. Okazaki teve seu nariz quebrado ainda meio do primeiro round. No segundo round, Okazaki encontrou uma abertura, fechada sob um jab desferido por Morris e o projetou com uma chave de braço. Morris foi gravemente ferido e incapaz de continuar a luta. No sábado, 10 de maio de 1922, o Hilo Daily Tribune publicou a manchete: “Morris não tem chance contra o expert em JuJitsu .” A fama de Okazaki se espalhou por todo o caminho até o Japão. Ele percorreu Dojos japoneses por seis meses em 1924, e foi premiado com o terceiro grau no Kodokan.

Okazaki passou dezessete anos em Hilo desenvolvendo sua abordagem às artes marciais e também seu sistema de massagem terapêutica restauradora. Durante sua vida Okazaki foi mais famoso como um terapeuta físico do que como um artista marcial, vivendo o tradicional arquétipo asiático do mestre das artes marciais e curandeiro.

Já em 1922, Okazaki começou a ensinar não-japoneses, para o qual ele foi severamente repreendido por seus professores. No momento em que ele se mudou para Oahu em 1930, (agora adotando o nome de “Henry”) seu dojo estava aberto a todas as raças, e de fato, o herdeiro do sistema, Sigfried Kufferath, era caucasiano. Depois de se mudar para Oahu em 1930, Henry Okazaki estabeleceu sua clínica e Dojo, trabalhando com as paixões da sua vida até morrer em 1951.

Seishiro “Henry” Okazaki definiu o tom do ambiente marcial no Havaí; Um tom de eclecticismo e vontade de ensinar qualquer um de qualquer raça que desejasse aprender.

James Masayoshi Mitose – Uma História Muito Confusa

James Masayoshi Mitose nasceu em Hilo, Havaí, em 1916. Com a idade de cinco anos, ele foi enviado para ser educado no Japão. Ele permaneceu no Japão de 1921 até 1936, quando retornou ao Havaí.

Em 7 de dezembro de 1941, os japoneses atacaram Pearl Harbor, e Mitose sabia que tinha que fazer uma escolha. Ele nasceu e viveu como um cidadão Americano no Havaí, mas passou seus anos de formação no Japão. Mitose escolheu a América: no dia seguinte, ele se alistou na Guarda Territorial do Havaí.

Depois de uma baixa honrosa da Guarda Territorial, Mitose sentiu tal gratidão pelo tipo de tratamento que havia recebido enquanto estava em serviço que decidiu ensinar abertamente a arte de autodefesa de Kosho-ryu (“estilo de pinheiro velho”) Kenpo. Ele fundou o “Clube Oficial de Autodefesa” em Honolulu em 1942 e como Okazaki, abriu a instrução para todas as raças. Mitose deixou a administração do Dojo nas mãos de Thomas Young quando ele partiu para a Califórnia em 1953.

Em 1953 Mitose publicou o livro What Is Self Defense? (O que é Defesa Pessoal?). Ele o subtitulou Kenpo Jiu-Jitsu, provavelmente devido à popularidade do Danzan Ryu Jiu-Jitsu de Okazaki. Na verdade, em seu livro Mitose se esforça muito para explicar a diferença entre Kenpo e Jiu-jitsu. (Mitose havia comparado as técnicas com Sig Kufferath, o maior expoente no Danzan Ryu Jiu-Jitsu e ensinado no mesmo local que Okazaki). O texto expõe uma filosofia de auto-defesa extraída de uma combinação de fontes budistas e cristãs, promovendo a humildade, auto-contenção e um respeito por toda a vida.

Tanto Bodhidharma quanto Abraham Lincoln são sustentados como modelos que possuem características de caráter ideais ao praticante de Kenpo. Fotografias ilustram os conceitos básicos de socos, chutes, treinamento de makiwara, bases e aproximadamente noventa técnicas de auto-defesa contra socos, chutes, agarramentos e armas. Enquanto chaves em articulações são incorporadas, combinações de golpes são enfatizadas e os chutes são mantidos baixos. Mitose escreveu: “Socar, golpear e chutar são os melhores métodos de defesa pessoal … As chaves devem ser usadas somente quando o adversário não é perigoso.” Mitose também expressa o seguinte desejo, “Recordando o velho ditado” Se estiver em Roma faça como os romanos”, o autor expressa seu desejo que o Kenpo eventualmente seja ocidentalizado.”

James Mitose provou-se um personagem enigmático e controverso. Em “What is Self Defense?” Mitose diz: “Daruma foi o fundador do Shorinjiryu Kenpo, e esta arte foi ligeiramente alterada pelos ancestrais do autor para um método mais adequado ao povo japonês”. Esta afirmação geral é consistente com a teoria de que o “antepassado” que ensinou Kenpo a Mitose não era outro senão o mestre Okinawano de Kempo, Choki Motobu. Alguns afirmaram que Motobu era o tio de Mitose. Acrescente a isso o fato de que ambos estavam no Japão de 1921 a 1936.

As técnicas de Mitose são semelhantes às técnicas utilizadas por Motobu, e Mitose claramente enfatiza o treinamento de makiwara, um método exclusivamente Okinawano. No início do seu livro há uma seqüência de fotografias: Bodhidharma primeiro, o mestre Zen Rinzai, Choki Motobu em seguida e depois James Mitose, implicando fortemente uma linhagem. A legenda sob a foto de Motobu lê, “Choki Motobu, o grande mestre do Kenpo Karate.” O Brasão de Mitose também é o mesmo usado por Motobu. Finalmente, há relatos de que Mitose estava familiarizado com o kata Naihanchi, o mesmo praticado por Motobu. Tudo isto é altamente sugestivo mas em última análise, somente circunstancial evidente.

Em entrevistas posteriores na Califórnia (publicadas no Karate’s History and Traditions de Bruce Haines), Mitose, vestido como um ministro cristão ordenado, dá uma imagem diferente e mais elaborada da origem e da natureza do Kenpo. Primeiro, ele afirma que Kosho-Ryu Kempo é um modo de vida completo, englobando Budismo, anatomia e fisiologia humana, esgrima, tiro com arco, arranjo de flores, natação, escalada em árvores, equitação, zarabatana e Shaolin Chuan-Fa. Mitose diz: “Entre as artes da autodefesa em que as armas não são usadas, nenhuma outra pode superar a arte de Kenpo”.

Agora, a espada, o arco e a zarabatana estão incluídas.) Ele então Afirma que a arte foi trazida ao Japão no final do século XVI e ali moldada e modificada por gerações de seus antepassados. Nenhuma menção é feita a Choki Motobu.

Podemos especular que o possível motivo para Mitose se distanciar de Motobu foi a reputação desagradável de Motobu como um lutador. Motobu tinha deixado um boxeador russo sangrando em um ringue no Japão em 1921, e em 1932 sua entrada foi negada no Havaí para participar em competições semelhantes.

No final dos anos setenta, Mitose forneceu ainda mais detalhes: sua arte familiar era agora chamada de “Kosho Shorei-Ryu Kenpo”, e ele se identificou como o 21° Mestre Zen e o herdeiro do sistema, trazido ao Japão por Daruma (Bodhidharma) e ensinado aos membros de sua família em seu templo budista, que abrigou centenas de monges. Infelizmente, é bem conhecido que Daruma nunca viajou para o Japão e morreu na China cerca de mil anos antes da data em que Mitose alega que Kenpo foi introduzido no Japão. Além disso, agora o yoga japonês (exercícios de qigong) e as artes ninja também fazem parte do Kenpo. A história de Mitose se torna cada vez mais elaborada, detalhada, fantástica e grandiosa ao longo dos anos.

Essa história cada vez mais complexa e detalhada é o resultado da melhora da memória ao longo das décadas? Da revelação progressiva dos segredos da arte? Muito depende da credibilidade de Mitose e infelizmente, ele foi condenado por homicídio em primeiro grau e morreu de um acidente vascular cerebral cumprindo sentença de prisão perpétua em 1981 na prisão de Folsom, na Califórnia .

Um estudante faixa preta de Mitose atacou um casal de idosos japoneses em sua casa durante a noite. Armado com seu conhecimento de Kosho Ryu e uma chave de fenda, o assaltante conseguiu matar o homem idoso, mas a esposa sobreviveu. Se Mitose lhe ensinou alguma de suas “artes ninja”, elas não funcionaram muito bem, pois todo o crime foi mal executado e deixou um rastro direto para o assassino.

Uma vez em custódia, o assassino se transformou em evidência para o estado, e os investigadores desvendaram uma história da fraude e extorsão: Mitose havia vendido aos idosos sua “cura secreta” para o câncer por um valor exorbitante. Para efetuar a compra, o casal se endividou e não obteve nenhum resultado, portanto exigiram o seu dinheiro de volta. Mitose os alertou a ficar em silêncio, eles responderam que queriam seu dinheiro de volta ou iriam procurar a polícia. Este foi o testemunho da viúva sobrevivente. O perpetrador real falou de uma reunião na casa de Mitose com Mitose e sua esposa, onde o ataque foi planejado.

Em troca de seu testemunho (a única maneira de desvendar a conspiração e conectar diretamente Mitose ao assassinato), o assassino recebeu uma sentença reduzida. Ironicamente, o próprio Mitose escreveu em What Is Self Defense? “Uma pessoa que viola as leis da sociedade, em vez de se proteger, está realmente se destruindo, tanto física como mentalmente, e mais cedo ou mais tarde a lei restringirá sua liberdade. A queda em desgraça é uma história tão antiga quanto a da humanidade.

Seja como for interpretada, a história de vida de James Mitose é um conto de advertência para qualquer artista marcial.

Durante seus dez anos de ensino antes de deixar o Havaí, James Mitose havia formado cinco faixas preta: Thomas Young, Bobby Lowe, Paul Yamaguchi, Arthur Keawe e William Chow. O Sino-Havaiano William Kwai Sun Chow nasceu em Honolulu em 3 de julho de 1914. Sua mãe morreu quando ele tinha onze anos e três anos depois seu pai retornou à China, deixando o jovem William no Havaí. Circulando entre diferentes membros da família, William abandonou a escola para encontrar trabalho.

William Kwai Sun Chow – Pureza de Propósito

Com pouco mais de um metro e meio, Chow definitivamente não era um homem grande, mas anos de trabalho duro nas ruas e docas de Honolulu o haviam fortalecido. Durante a escassez de mão-de-obra da Segunda Guerra Mundial, Chow não teve problemas para encontrar trabalho. Quando James Mitose abriu seu Clube Oficial de Autodefesa em 1942, Chow se tornou um estudante dedicado da arte. Além de aprender o Kosho-ryu Kenpo de Mitose, Chow também adquiriu o conhecimento do Kung Fu de seu pai, que havia retornado da China e se casado novamente. Além disso, um dos meio-irmãos de Chow, John Chow-Haan, era um dos principais alunos do Danzan-Ryu Jiu-Jitsu de Okazaki, e quando William não estava praticando seu Kenpo, ele costumava passar um tempo no dojo de Okazaki em Honazulu.

William Chow era um fanático por treinamento. Ele tinha um dom de lembrar todas as técnicas que lhe foram mostradas e aperfeiçoaria cada uma contra uma variedade de oponentes. Todos os dias, ele treinava os fundamentos, levantava pesos e golpeava o makiwara. Fotos antigas revelam as articulações condicionadas características da prática regular de makiwara. Chow desenvolveu sua velocidade e força a níveis tão altos que adquiri o apelido Thunderbolt (Relampago)! As ruas da Segunda Guerra Mundial em Honolulu, repletas de militares, forneciam um laboratório ideal para testar a praticidade e a eficácia das técnicas de Chow. Além disso, há contos apócrifos da reunião do professor Chow visitando dignitários de artes marciais no aeroporto de Honolulu para uma disputa de habilidades. Enfrentar Chow era como ser forçado a responder à pergunta “onde você quer ser atingido por esta marreta?” Muitos tiveram uma estadia muito curta nas ilhas.

Chow apareceu no livro de Mitose, What is Self Defense? (Kenpo Jiu Jitsu). Quando Chow deixou Mitose em 1949 e começou a ensinar por conta própria, ele assumiu o título de “Professor”. Depois da morte de Okazaki em 1951 e da partida de Mitose para Califórnia em 1953, o professor Thunderbolt Chow se tornou uma figura chave no desenvolvimento da cena havaiana das artes marciais. Chow assumiu uma abordagem mais pragmática do que a filosófica de Mitose. Seu anúncio no livro de telefone de Honolulu dizia, “aprenda com o mais famoso mestre de karate do Havaí!” E no início dos anos sessenta ele se listou como o fundador e instrutor chefe do “Dian Hsuhe Go Shinjutsu Kenpo Kai Karate Association.”

Ao longo dos anos a arte ensinada por Chow foi conhecida por uma variedade de nomes: no início, era simplesmente “Kenpo Karate”; Depois, ele o chamou de “Goshin-Jitsu (arte de autodefesa)”, depois “Shaolin Kenpo” e finalmente, “Kara-ho Kenpo”. Seja qual for o nome, era um sistema focado na prática e na eficácia na rua. O professor Chow seguiu o padrão estabelecido por Choki Motobu e James Mitose: desenvolvimento de conceitos básicos poderosos sobre o makiwara, prática de técnicas com um parceiro e pouca ou nenhuma prática de kata. Um de seus estudantes conta como Chow o fez gastar o primeiro ano de treinamento desenvolvendo somente um chute e um soco! O “Professor” era um homem simples, mas a simplicidade também era sua virtude. Sua filosofia pode ser resumida: aprenda o que puder, use o que funciona e treine duro.

Embora o Professor Thunderbolt Chow devotasse a vida ao ensino do Kenpo, como instrutor de artes marciais ele ganhava somente o necessário para sobreviver. Ainda assim, seu impacto nas artes marciais foi tremendo. Talvez devido à modesta educação formal, e ao contrário Motobu ou Mitose, Chow não deixou nenhum registro escrito de sua arte. Mas quando ele morreu em 21 de setembro de 1987, o que ele deixou para trás foi ainda mais impressionante. Considere isto: o pequeno homem com o apelido de “Thunderbolt” demonstrou tal pureza de propósito que motivou inúmeros alunos a criarem seus próprios sistemas e dedicar suas vidas ao ensino de artes marciais. Entre outros, o Kajukenbo dos irmãos Emperado, Shaolin Kenpo de Ralph Castro, Kara Ho Kempo de Sam Kuoha e, é claro, o Kenpo Karate de Ed Parker, todos remontam às suas origens nos ensinamentos do Professor William Kwai Sun, Thunderbolt Chow.

Ed Parker – O Patriarca

Edmund Kealoha Parker nasceu no Havaí no dia 19 de março de 1931, o sexto filho em uma família de sete. Como um bisneto do rei Kamehameha, nasceu da linhagem de guerreiros havaianos. Durante o tempo em que estudou na Kamehameha High School em Honolulu, treinou judo e boxe. As travessuras do jovem Parker certa vez fizeram com que um de seus professores bradasse, “Ed Parker, você nunca será alguém na vida!” Ele levou isso a sério e desenvolveu uma profunda determinação para provar que o professor estava errado.

Parker foi criado como um Mórmon devoto e um dia na igreja um amigo franzino chamado Frank Chow contou como ele tinha subjugado um valentão local. Um Parker de dezesseis anos de idade estava em descrença até Chow mostrar-lhe a técnica de Kenpo que havia utilizado. Ed. Parker ficou imediatamente intrigado e começou a estudar com Frank Chow.

As lutas de rua eram comuns no perigoso distrito de Kalihi em Honolulu. Uma, em particular, causou uma impressão duradoura no jovem artista marcial em desenvolvimento: Durante a luta, um participante teve a maior parte do seu nariz arrancado com uma mordida, mas era tão casca grossa que ainda assim reagiu e derrotou seu oponente.

Parker percebeu o que a pura resistência mental e a recusa em admitir a derrota poderiam realizar. Depois de alguns anos, Frank disse a Ed que ele havia ensinado a ele tudo o que podia e apresentou-o ao seu irmão mais velho, William Chow, que acabara de começar a ensinar independentemente de Mitose no Nuuanu YMCA (1949).

Lá, Parker apreciaria os benefícios do treinamento com outros praticantes e com o próprio Chow. Parker lembrou: “Desde o momento em que presenciei William Chow mover-se e aprofundar a habilidade de seus estudantes, um forte sentimento espiritual penetrou minha alma, me dizendo que o Kenpo seria o trabalho de minha vida.

Certas estratégias permaneciam consistentes com a época de Choki Motobu: uma ênfase geral nas técnicas de autodefesa que utilizam combinações rápidas de mãos (com golpes traumáticos e  chaves articulares) e chutes baixos. Parker credita a Chow a re-introdução dos movimentos circulares das artes chinesas ao Kenpo, bem como por lhe ensinar alguns “movimentos-chave”. Parker desenvolveu uma apreciação pela combinação de movimentos circulares e lineares, bases fortes, treinamento duro e análise de senso comum de seu treinamento com o Professor Chow.

Mais tarde, Parker escreveu: “Foi William Chow quem cultivou a semente do Kenpo Karate… Eu o segui, questionei, o incomodei, e ele fez valer a pena. Ele explicou e sublinhou a necessidade de modificações e adições e me apresentou a Movimentos Chave, me colocando no caminho para me tornar um inovador criativo … Chow … sentiu que havia uma necessidade de mudar a arte para satisfazer as necessidades do povo ocidental neste momento … Eu não posso agradecer-lhe o suficiente para definir em mim um caminho de pensamento lógico e realista.” No Kenpo a mão esquerda aberta que cobre o punho fechado direito tem vários significados, um de que é a união do estudioso e do guerreiro.

Ed Parker mostrou incrível presença ao atualizar o ideal estudioso-guerreiro do Kenpo ao buscar um diploma universitário na Universidade Brigham Young. Ele sentiu que a educação superior era um pré-requisito essencial para embarcar em sua carreira como instrutor de artes marciais. Durante seu segundo ano na BYU Parker começou a treinar sete dias por semana para se preparar para seu teste de faixa preta.

A educação universitária de Parker foi interrompida em 1951 ao ser recrutado para a Guerra da Coréia. Ele se juntou à Guarda Costeira e foi alocado em Honolulu, sendo capaz de continuar seus estudos de Kenpo com o Professor Chow. Quando foi dispensado honrosamente em 1953, ele recebeu de William Chow sua faixa preta.

Antes de retomar a sua educação na BYU, Parker teve a ideia de abrir escolas de Kenpo Karate no continente depois de concluir a faculdade. Chow aprovou o projeto, mas quando chegou a hora ele se recusou a deixar sua casa na ilha. Parker retomou a faculdade em 1953, a princípio ensinando outros estudantes universitários. Depois de uma impressionante demonstração durante um jogo de basquete da UCLA vs. BYU (1954) passou a ensinar também agentes da polícia local, incluindo guardas da prisão, policiais, xerifes e agentes do FBI.

Durante este período, um singular acidente de caça tomou a vida de um amigo. O companheiro de caça de Parker atirou em um cervo e quando ele se aproximou do animal moribundo, este deu um coice fatal em sua garganta. Esta tragédia mostrou a Parker o erro em desconsiderar as consequências não intencionais em uma luta. Este descuido poderia trazer a derrota onde a vitória era uma certeza. Parker então começou a explorar um dos princípios chave do Kenpo, o travamento.

Tarde da noite enquanto dirigia com sua esposa Leilani, grávida de seu primeiro filho, eles foram cortados por outro veículo. Quatro homens saíram do carro e Parker os confrontou. Ele nocauteou dois deles em alguns segundos. Sua mente entrou em overdrive e ele experimentou o encontro em câmera lenta. Ele teve tempo para considerar o efeito dissuasor de quebrar o nariz do primeiro homem com um martelo, cobrindo sua camiseta branca em sangue. Um segundo assaltante hesitou, e um golpe com a faca da mão no pescoço tirou o cigarro de sua boca e o colocou fora de ação. O primeiro homem caiu duro, imóvel no chão. Parker ficou realmente aliviado quando o atacante recuperou a consciência. Os assaltantes fugiram e Parker ganhou um medo saudável das consequências da utilização de suas habilidades.

Em Utah, Charles Seeder – o instrutor assistente de Parker no Ginásio de Musculação de Roy Woodward, tornou-se seu primeiro faixa preta oficial. Parker graduou-se na BYU em 1956 como bacharel em sociologia e psicologia, com um grau menor menor em ciência política. Depois de se formar na faculdade, Wally Jay, um praticante de jiu-jitsu havaiano do antigo bairro de Kalihi, perguntou a Parker: “Você está ensinando artes marciais. Você fez faculdade para isso? Parker respondeu: “Não, eu fui para a faculdade para poder falar com as pessoas, em qualquer nível.”

Roy Woodward também gerenciou um ginásio em Pasadena no sul da Califórnia e ofereceu a Parker a oportunidade de se mudar para lá e ensinar. Parker aceitou, mas depois que ele se mudou para a Califórnia, o ginásio foi vendido e Parker viu-se desempregado. A mudança para Pasadena em 1956 foi um ponto de virada providencial para Ed Parker. Estar a milhares de quilômetros do Havaí reforçou sua independência, enquanto os desafios de um novo ambiente estimularam sua criatividade. O Sul da Califórnia foi, e ainda é, um dos principais centros da indústria do entretenimento. Além disso, a Califórnia tem grandes comunidades chinesas, japonesas e filipinas, cada uma com suas próprias artes marciais tradicionais. Todas as três culturas estão bem representadas no Havaí e muitos desses artistas marciais imigraram para o continente através das Ilhas.

Este nexo das comunidades de entretenimento e artes marciais exigia alguém que pudesse preencher a lacuna e se relacionar igualmente bem em ambas as arenas; Ed Parker era esse homem. A inteligência, a educação e o carisma de Parker o permitiram se mover bem nos círculos de Hollywood, enquanto sua habilidade, herança havaiana e instrutor chinês abriram as portas tradicionalmente fechadas da comunidade de artes marciais chinesas. Ele poderia satisfazer seu desejo de aprender mais, aprofundar-se nas artes marciais e expor o que descobrira a um público mais amplo.

Ed Parker era o homem certo, no lugar certo, na hora certa. Quando o trabalho no ginásio não se concretisou, Parker foi motivado a abrir sua própria escola de Kenpo Karate em Pasadena . Além disso, alinhado com a visão de abrir outras escolas de Kenpo, fundou a Kenpo Karate Association of America (em 1960 o KKAA se transformou a International Kenpo Karate Association, com um novo brasão demonstrando a crescente influência chinesa na arte).

Woodward apresentou a Parker Terry Robinson, diretor físico do Beverly Wilshire Health Club. Terry Robinson havia ensinado técnicas de “matar ou ser morto” durante a Segunda Guerra Mundial, mas quando ele viu o Kenpo de Parker, ele imediatamente reconheceu sua superioridade.

Robinson, que se tornou amigo de Parker por toda a vida, convidou o jovem havaiano para o Beverly Wilshire Health Club e o apresentou a sua clientela de elite. Logo Parker começou a ensinar empresários, profissionais e celebridades, incluindo atores e diretores de televisão e cinema, ganhando assim a exposição no entretenimento e mídia impressa. Em 1960, Terry Robinson arranjou para Parker uma demonstração no Hotel Beverly Wilshire. Nas palavras de Parker, “A demonstração foi excepcional: a energia fluiu com toda a intensidade de um combate de vida ou morte”.

Elvis Presley estava hospedado no hotel, e humildemente se apresentou a Parker após a manifestação, iniciando uma longa amizade e associação entre os dois homens. Ao mesmo tempo, Parker também publicou uma série de artigos na Iron Man, uma importante revista de musculação. A série de artigos na Iron Man levou à publicação de seu primeiro livro em 1960,  Kenpo Karate; The Law of the Fist and Empty Han (Kenpo Karate; A Lei do Punho e das Mãos Vazias).

A mente aberta de Parker e sua atitude progressiva em relação aos métodos de treinamento são evidentes em seu primeiro livro. Além do treinamento tradicional (makiwara), ele dedica parte do livro aos modernos métodos de condicionamento físico, incluindo o treinamento progressivo de peso – mesmo à luz da “sabedoria” prevalecente entre os treinadores atléticos daquela época que os pesos deveriam ser evitados pois fariam os músculos do atleta se contraírem. Hoje, todo esporte tem um regime de musculação suplementar.

Este livro também contém o que ainda é um dos melhores diagramas de áreas vulneráveis do corpo humano e uma grande variedade de ilustrações mostrando formas de ataque com os punhos, demonstrando o aumentou do elemento chinês na arte. Os movimentos básicos de muitas técnicas ainda praticadas no Kenpo Karate (através da Forma 6) estão contidos neste primeiro livro.

Seguindo Chow, que substituiu a filosofia idealista de Mitose por uma atitude pragmática, Parker substituiu os credos religiosos por uma ética simples de autodefesa, resumida no lema do Kenpo. ““Eu venho ao seu encontro apenas com Karate, as minhas mãos vazias. Não tenho armas. Mas caso seja obrigado a defender-me, a lutar por meus princípios ou minha honra; caso seja uma questão de vida ou morte; do certo ou do errado; então aqui estão as minhas armas, Karate, minhas mãos vazias.”

Isso foi apoiado pela observação de que quando alguém tem confiança baseada na habilidade de autodefesa, ele pode se afastar dos problemas, não porque tem medo do que um agressor possa fazer com ele, mas do que ele pode fazer com seu agressor!

As coisas começaram a acontecer rapidamente. Em 1961, a primeira edição da revista Black Belt incluiu um grande artigo sobre “Ed Parker, o Faixa Preta Mormon”, com o ator Nicker Adams.

Nesse mesmo ano, a revista Time publicou um artigo sobre a crescente popularidade das artes marciais e referiu-se a Parker como o “Sumo Sacerdote da Seita de Hollywood”. A crescente popularidade do Kenpo e uma clientela mais ampla e sofisticada estimularam inovações na abordagem de Parker ao ensinar. Parker começou a desenvolver suas ferramentas de ensino únicas: o princípio da doca, os três estágios de aprendizagem (primitivo, mecânico e espontâneo), a sequência de desenvolvimento de printing/script/shorthand, analogias e terminologia na língua inglesa, tudo o que facilitasse o processo de aprendizagem dos alunos de Kenpo.

Enquanto o Kenpo ganhava mais exposição pública, Parker aproveitava as oportunidades na Califórnia para aumentar seu conhecimento e habilidade. Ele sempre estava procurando maneiras de refinar sua arte, e ele viajaria por toda a Califórnia procurando outros artistas marciais com os quais trabalhar. Durante o início dos anos sessenta, Parker trocou conhecimentos com artistas marciais do calibre de James Lee, James Wing Woo, Bruce Lee, Ben Largusa e Gene LeBell.

Em 1960, Parker fez uma viagem para a famosa Chinatown de San Francisco para visitar escolas de artes marciais.Enquanto estava lá ele conheceu um jovem mestre de kung Fu , James Wing Woo, que ensinava Tai-Chi-Chuan e Shaolin.

Woo nasceu em San Francisco e seu pai era membro da irmandade Tong; a família retornou à China em 1928, onde ele iniciou seu treinamento em artes marciais. Anos depois, Woo retornou ao norte da Califórnia, onde Parker o encontrou.

Parker reconheceu o talento de Woo e o convidou para ir a Los Angeles para que trabalhassem juntos. Os dois homens tiveram uma infeliz parceria nas artes marciais; provavelmente era inevitável que Parker, rebelde criativo e inovador e Woo, o mestre chinês tradicional, tivessem abordagens conflitantes. Após cerca de um ano, eles dissolveram sua parceria.

A maioria dos estudantes avançados (com exceção de Chuck Sullivan) decidiu permanecer com Woo, pois sentiram que ele tinha mais a ensinar. Dave Hebler e Dan Inosanto também ficaram com Parker. Embora tenha sido uma experiência dolorosa, Parker a usou para motivar-se a desenvolver ainda mais a profundidade e a amplitude do seu currículo no Kenpo. Este evento deu início a um período de criatividade explosiva no desenvolvimento do seu sistema de Kenpo.

Parker teve um relacionamento melhor com James Lee, outro praticante de Kung Fu do norte da Califórnia. Lee tinha um saudável ceticismo em relação ao misticismo predominante nas artes chinesas. Ele começou a praticar halterofilismo em 1938 e desenvolveu uma abordagem não tradicional ao treinamento de kung fu. James Lee publicou um livro em 1957, “Modern Kung-Fu Karate”, detalhando seus métodos básicos de treinamento, enfatizando o desenvolvimento de técnicas de quebramento utilizando as “mãos de ferro”.

A edição de 1963 traz fotos clássicas de Parker, referindo-se a ele como um “conhecido instrutor de Kenpo Karate de Pasadena, Califórnia”. Parker e Lee frequentemente se reuniam e comparavam anotações. Parker descreve essas sessões: “James e eu discutimos, comparamos, analisamos e dissecamos continuamente as artes marciais sempre que estávamos juntos. Ele costumava me pedir para interpretar suas formas de Kung-Fu e sempre ficava empolgado quando eu oferecia duas ou três interpretações ao seu significado.

Um animado James Lee ligou para Parker um dia e o convidou para ir a Oakland a fim de conhecer um novo praticante de Kung Fu, dizendo: “Esse cara é fantástico! Você precisa conhecê-lo. Parker voou e foi apresentado a Bruce Lee (sem relação com James). Como todos os presentes, a demonstração de velocidade, potência e técnica exótica de Bruce, bem como seu domínio inteligente da filosofia chinesa, impressionaram Parker.

Além disso, Parker ganhou uma apreciação pela teoria da linha central, e Lee ganhou um entendimento das limitações sobre as bases do Wing Chun. Os dois homens desenvolveram um respeito mútuo e Bruce pediu para Parker escrever a introdução do seu livro lançado em 1963, “Chinese Gung Fu, the Philosophical Art of Self Defense”. Mesmo naqueles primeiros tempos, Parker observou, “Ele é um dos poucos que eu vi, dotado de capacidade natural, um dom que ele sem dúvida coloca para trabalhar evidenciado sua soberba habilidade.”

Parker ordenou o conhecimento adquirido com as artes chinesas, e os filtrou através de sua abordagem criativa e analítica, integrando-os em seu Kenpo. Seu livro lançado em 1963, “Secrets of Chinese Karate”, (com uma introdução por Joe Hyams) registra essa evolução.

O Kenpo ganhou formas longas e elaboradas, características dos sistemas chineses. Parker também adicionou uma variedade de bases detalhadas utilizadas para a geração de energia ou como travas e ataques em si mesmos. O simbolismo do Tigre e do Dragão (típico do Taoísmo) vem a tona e o Padrão Universal tornou-se parte da simbologia do Kenpo . Além disso, a característica de relaxamento e explosão de algumas artes internas tornou-se um atributo de alto nível do Kenpo.

Embora inegavelmente haja uma forte influência chinesa no Kenpo Karate, Parker não se limitou à esfera das artes chinesas na sua busca de conhecimento. Parker era muito próximo de outro rebelde das artes marciais conhecido em Los Angeles, o judoca Gene LeBell. Parker considerava Gene como um dos homens mais perigosos do mundo. É digno de nota que o primeiro livro de Parker contém, além das chaves típicas de jiu-jitsu como aquelas abordadas por Mitose (torções de pulso, estrangulamentos), defesas mais voltadas ao típico wrestling, como torções de braço, mata-leão e full nelson.

Em 1963, o autor Jim Beck escreveu um artigo declarando: “Judô é uma fraude completa” e afirmou que “qualquer boxeador pode vencer um judoca,” oferecendo uma recompensa de mil dólares para qualquer judoca que pudesse vencer o desafio . Parker chamou LeBell e a luta realizada em Salt Lake City, Utah, em 2 de Dezembro de 1963. Quando LeBell chegou, ele soube que enfrentaria o número cinco no rankink dos pesos pesados, Milo Savage. Ileso, Gene estrangulou Savage no quarto round.

Em 1964, Parker realizou seu primeiro  International Karate Championships, inicialmente chamado de Long Beach Internationals. O torneio foi aberto a todos os praticantes de qualquer estilo e aconteceu de forma contínua por mais de três décadas, indiscutivelmente como o mais prestigiado torneio de artes marciais do mundo. Notavelmente, Parker convidou Bruce Lee para o evento e pediu que um de seus faixa preta, Dan Inosanto, o ciceroneasse.

O evento todo, incluindo a eletrizante demonstração de Lee, foi filmado por Blake Edwards, famoso diretor de Hollywood e kenpoista, que também ajudou a premiar o vencedor Mike Stone. Ben Largusa, outro nativo do Havaí também efetuou uma demosntração de Villabrille Kali, impressionando até mesmo Bruce Lee. Parker admirava a estratégia fundamental do Kali de “desviar, controlar, golpear” e pediu a Largusa para compartilhar suas informações. A princípio, Largusa disse que Villabrille o proibiu de mostrar ao Parker suas técnicas, mas recentemente admitiu que frequentemente praticaram juntos.

Quando um dos contatos de Hollywood pediu recomendações para o papel de Kato em uma nova série de TV, “The Green Hornet”, Parker primeiramente chamou Ben Largusa. Com sua recusa, como segunda opção convidou Bruce Lee. Embora a série tenha durado apenas uma temporada, a dinâmica presença de Lee lançou sua carreira no cinema de Hong Kong, e também a Kung-Fu-Mania e o boom das artes marciais do final dos anos 60 e início dos anos 70.

Qualquer bom professor aprende com seus alunos, e Parker não foi exceção; durante este período muitos de seus estudantes iriam explorar novas estratégias, combinações ou modificações em técnicas ou formas, e Parker iria avaliá-los. Se a modificação se enquadram no contexto da visão global da Parker para o Kenpo, seriam incorporadas a arte.

Um bom exemplo deste processo colaborativo é o papel de Chuck Sullivan no refinamento da forma clássica com bastão que ele havia aprendido com Parker. Parker reconheceu a melhoria e a forma modificada tornou-se parte do sistema. Para estimular ainda mais a criatividade intelectual e técnica de seus alunos, Parker passou a requerer que os candidatos à faixa preta escrevessem uma tese referente à arte e criassem sua própria forma. O livro de Brian Adam, “The Medical Implications of Karate Blows” (As implicações médicas dos golpes de Karate), e a faca Parker de Luta criada por Gil Hibben são dois resultados bem conhecidos desta exigência de longa data.

Além de conhecimento adquirido através de outros, o intenso estudo conduziu Parker para muitas revelações pessoais. Enquanto buscava maneiras mais criativas de expor sua arte a um público mais amplo, Parker prenunciou o atual boom de vídeo,e passou a trabalhar com Chuck Sullivan para colocar uma dúzia de técnicas de Kenpo em filmes 8 mm.

Assistir estes vídeos deu a Parker uma de suas ferramentas analíticas básicas para avaliar técnicas: os “três pontos de vista” – atacante, defensor, e espectador. Um dia, ao assistir um destes vídeos ao contrário, enquanto o rebobinava, Parker teve uma epifania, ele percebeu que o movimento reverso que ele tinha anteriormente ignorado como um mero recarregar, também poderia ser útil em auto-defesa. Essa percepção o levou a explorações ainda mais profundas em teorias do movimento.

É difícil precisar o momento exato em que todas estas mudanças quantitativas e refinamentos somados qualitativamente criaram uma nova e original arte marcial. A estrutura teórica essencial, as técnicas de base, sistema de treino, simbolismo, e as qualidades do Kenpo de Parker estavam bem estabelecidas na metade final dos anos 1960.

Anos antes, James Mitose tinha expressado a esperança “que eventualmente o Kenpo será ocidentalizado.” William Chow tinha plantado a semente, mas foi Ed Parker quem nutriu esta visão com pleno êxito.

A arte cresceu e floresceu até o ponto que menos de 10% do sistema poderia ser atribuído aos ensinamentos de Chow. Aplicando lógica ao conhecimento tradicional extraído de uma mistura de culturas, Parker mesclou métodos e técnicas que poderiam ser adaptadas às necessidades, objetivos e habilidades de cada praticante. Edmund Kealoha Parker criou um sistema de artes marciais moldado pelos valores gêmeos do pragmatismo e da individualidade. O Kenpo Karate nasceu!

WhatsApp chat